domingo, 24 de julho de 2016

Felicidade é só uma questão de amor

Existem muitos terapeutas, escritores de auto ajuda, amigos, affaires e afins afirmando categoricamente que ninguém precisa de ninguém para ser feliz, que somos autossuficientes e que basta ser e só. Confesso que é bastante atraente acreditar nisso, é um tanto consolador, e no sentido mais intrínseco da palavra o de consolar a dor ( consola + dor ), mas (in)felizmente como tudo na vida, há sempre um viés.
Nós, seres humanos, dependemos e muito do outro para ser feliz, porque felicidade é sentimento, e sentir como já está explícito no dicionário é Ter a sensação; receber impressão por qualquer dos sentidos, é troca e isso depende do outro.
Não acredito que a felicidade está em formalidades e rótulos, ou coisas moralmente instituídas pela sociedade como namorar, casar, ter filhos ou uma ter família convencional, ter um bom emprego.Mas não há nada mais gratificante do que ouvir um "Eu te amo", de tocar a pele do outro com ternura e sentir o toque do outro, de ter o cheiro do outro escorrendo pelo seu corpo, de vivenciar um abraço apertado daqueles que afaga qualquer coisa mesmo,sabe. De mergulhar no olhar do outro e se enxergar, de perceber que alguém se perde em você e fingir estar distraída para que este momento não termine nunca.Não há nada melhor que o calor de um beijo, do que sentir seu coração saltar pela boca quando está perto de quem se ama...

Ah... o amor... Difícil encontrar alguém que não queira amar e ser amado, ter aquela sensação de plenitude por ser correspondido.

Há ainda quem diga que a minha perspectiva é de casal que há pessoas que não tenham uma busca romântica ( o que eu duvido muito... acho que até o mais casto dos eclesiásticos, pelo menos uma vez na vida já questionou o celibato)
Mas mesmo assim, precisamos do outro... Como é triste a vida daquele que não tem nem sequer um amigo para partilhar as angústias, comemorar as vitórias, sair e tomar porre junto... Aquele que vai lembrar a vida inteira dos seus piores micos, aquele vai enxugar suas lágrimas e estender a mão  para você se levantar...

Não consigo ver felicidade sem isso, mas e se ainda sim me questionarem...Ainda tem aquele colo da nossa mãe ( aí no sentido figurado,não mãe biológica ligada a padrões, mas no sentido amplo que ela representa), aquele carinho que a gente sempre precisa, aquele cheirinho daquela comida que lembra infância...

Ah, definitivamente é impossível ser feliz sozinho, já dizia Tom... Sábio Tom!

Sabe qual é o problema ?

Vivemos num momento em que as pessoas precisam acreditar que se bastam, e deixam de se abrir para oportunidades de dar e receber amor. Acabam de forma animalista consumido pessoas em busca de um prazer vazio, na falsa sensação de saciedade e não se permitem vivenciar as coisas mais doces da vida, sabe. Racionalizam atitudes com medo de criar problemas e deixam pessoas ótimas, incríveis mesmo ( Ah, se ele soubesse o que está deixando ir...) por mera covardia. Que pena! E aí, para juntar os cacos daquela pessoa-objeto ( vítima do individualismo), alguém inventa que está tudo bem, ser só basta .Até que essa pessoa acredita e vai machucar outra e aí vira um circulo vicioso.

Acredito ,de verdade, que as coisas não deveriam ser assim, devíamos assumir nossas fraquezas, aceitar as nossas vontades e desejos, porque ter isso em mãos também faz parte da felicidade. Tudo bem que o outro não enxergue o seu valor, nem sempre as pessoas são capazes de ver além da aparência, mas um dia um José alguém completamente diferente dos outros e especial vai chegar e vai te dar oportunidade de viver tudo aquilo que você sempre quis.A vida é grande mesmo, e cheias de pessoas na ânsia de sentir. Tenho certeza que existe alguém para lhe proporcionar inesquecíveis momentos. Mas para isso é preciso acreditar e ter esperança que o melhor ainda está por vir.
Sempre vai ter aquela pessoa que vai te tirar de casa e te levar à praia, fazendo esquecer do tempo que não ria cedo, não é mesmo Cícero?

E quem sou eu? 

Eu sou apenas uma das pessoas que acredita de verdade no amor


Ana Carolina Alencar


sábado, 16 de julho de 2016

BEM VINDO AO QUE EU SOUL

A pior dor é aquela que habita as profundezas da alma. Ela corrói as entranhas na sua navalha silente. As vezes tentamos seguir em frente, mas as arranhanduras põe-se a gemer e então você olha para atrás e mergulha num abismo sem volta. O coração pulsa em uma batida sangrante e seu corpo não parece caber mais naquela alma.
Talvez seguir em frente seja pensar que as feridas não são tão fundas e a tristeza já não tem razão de ser. E aceitar que a vida é mesmo de rasgos sem emendas
As vezes, pode ser ver teus olhos afundar nos meus e teu abraço me confortar, mesmo que a vida volte a me calejar.
Ah... Eu queria a leveza das tardes ingênuas em que acreditava na doçura de amar, mas cada vez que deixo o vento soprar a tempestade vem me devorar
E se, no olhar vago,  te contasse como eu cheguei até aqui? Será que você então me entenderia? E se eu te contasse que a cada sonho que tive se esvaiu  numa verdade... E que na minha tolice me entreguei a ilusão e vi meus amores um a um cair em perdição?

Ah... Foi-se o garoto que eu gostava, Ah... foi-se o passarinho verde.. Ah... foi-se o moreno ... Foi-se o cantor da rádio amor... Foi-se o equilibrista ébrio... Ah foi-se até meu branquinho, foi-se o homem das dores do cais e foi-se meu primeiro amor... Cada um que partiu levou consigo meu coração.. E o que de mim restou?
Nem sei mais... Será que existe a mim?

Meu erro foi acreditar nesse lance do olhar, nessa sensação serena de me encontrar num alguém, no riso frouxo dos amantes,  na delicadeza do tocar a pele , no sorriso estonteante que fascina...
Meu erro foi acreditar que todo mundo tem direito de ser feliz com essa coisa estranha que pulsa no peito, chamada AMOR.


Ana Carolina Alencar