sábado, 25 de junho de 2011

Carta ao Mestre

Essa poesia tem um significado muito importante pra minha adolescencia e pra minha vida



                Da paisagem fez-se poesia
                Dos teus pensamentos o mistério
                Do mistério meu encanto
                Tens a arte da sabedoria

                Mestre, ensina-me o ser
               Descobre em mim a arte de viver
               Não faças das palavras mero desencontro
               Deixa em ti eu me perder

               Do mito fez-se o homem
               Do homem o desejo
               Cala-me com teus olhos
               Faz de mim tua perdição

               Deixa eu acreditar por um instante
               Que guardas em mim tua vida
               Mesmo que ao cair da realidade
               No leito do amor de verdade
               Deixes teu coração repousar

                         Ana Carolina Alencar
                 

SINCERO

     Mais que rimar coração com paixão
     Quero cruzar meu olhar com teu
     
     Mais que dizer versos métricos
     Pra te seduzir
     Quero sentir o gosto
     Da minha boca na tua

     Antes de te vestir
     De sonetos e serenatas
     Quero te despir
     Com meus desejos e minhas mãos

     E se para ti compuser uma canção
     É para em teus braços
     Eu poder repousar



            Ana Carolina Alencar
     

Conflitos em tese

Dedico essa poesia ao EREM


Em tempos de guerra
Não quero estar em meio ao tiroteio
Não subirei ao topo da serra
E nem me alinharei ao mato rasteiro

Em tempos de paz
Quero o conflito de direito
Cujo respeito
É de mais valia que o controle perspicaz

Quero viver o "Não sei"
Sem negar meu dever de pensar
Mas a construção do que serei
Exige refutar o acreditar

Somente assim
Dentro do meu desalinho
Renderei o meu "sim"
À um certo caminho

E VIVA A REVOLUÇÃO!


Ana Carolina Alencar

quarta-feira, 22 de junho de 2011

POESIA SEM TÍTULO

Se me perguntarem algum dia
O que vale a pena na vida
Cofesso, demoraria a responder
Mas diria uma só coisa:

Mesmo que nas minhas crenças
Prevaleça o incerto
E a verdade se esfarele
Diante de meus olhos

Ainda terei uma certeza:
Vale a pena viver !

Mas não essa vida banal
da busca insana da felicidade

Vale a pena viver
Porque da minha janela o amanhecer
É mais saboroso
E as flores desabrocham tão suaves

Porque o sol aquece-me no verão
E eu ainda posso amar
E amo!

Amo as flores do meu jardim
Amo estrelas e querubins

E o anoitecer da minha janela
Também é tão saboroso
Que sinto o gosto de viver!

Ana Carolina Alencar

LUTO

Hoje, e somente hoje
Quero a roupa mais preta que houver
E mais disforme que se puder ver

Hoje, e somente hoje
Jaz aqui um sonho
Sonho este que me guiou até aqui

Hoje, só hoje
Rendo-me ao leito do horror
Até o amanhecer

Não quero sorriso
Quero sentir dor
Mas não a fingida
Que esconde de si
Que  deveras é dor!

Ana Carolina Alencar

NUM TEMPO QUALQUER

Numa tarde qualquer
Os carros passam
As crianças correm
E os adultos prendem-se em si

Numa tarde qualquer
Você, hoje solto de mim,
Lembrará do meu nome
E descobrirá o amor
Que o tempo guardou

Em um lugar qualquer
Buscará meu olhar
Que no tempo se perdeu

Em um lugar qualquer
Arrepender-se- á de um dia
Ter negado o amor que era só seu!

ANA CAROLINA ALENCAR